Ir direto para menu de acessibilidade.
Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > Campus Tarauacá > Em casa, professora produz mudas seringueira e cupuaçu
Início do conteúdo da página
Campus Tarauacá

Em casa, professora produz mudas seringueira e cupuaçu

Plantas serão transplantadas para a área experimental do Ifac, em Tarauacá, após o retorno das aulas

  • Publicado: Terça, 14 de Abril de 2020, 14h44
  • Última atualização em Sexta, 29 de Mai de 2020, 11h34

 

Como aproveitar o tempo em casa durante a quarentena? A professora Ívina Freiras do campus Tarauacá está com uma proposta interessante. Ela, junto com seus familiares, estão produzindo mudas com sementes de seringueira e cupuaçu. Essas mudas serão doadas para a área experimental do Ifac em Tarauacá que oferece cursos voltados para as ciências agrárias.

Ela conta que as mudas de seringueira foram doadas por um ex-aluno do Ifac e seriam utilizadas em uma atividade com a turma do Curso Técnico em Agricultura. No entanto, com a suspensão das aulas presenciais a atividade teve de ser adiada.

“Íamos fazer uma aula prática de produção de mudas. Com a suspensão das aulas, para não perder essas sementes, decidi semeá-las em casa. Envolvi meu pai e minha avó que estão comigo em Tarauacá e nós semeamos as sementes. Também tinha umas sementes de cupuaçu que já estão aqui crescendo. Algumas já vingaram, outras ainda não. O objetivo agora é doar essas mudas para a área do Ifac e transpanta-las com os alunos”, comenta.

Jardinagem e saúde mental

A docente explica que a atividade com a terra é uma boa opção de cuidado com a saúde mental não apenas nesse período de isolamento social. Ela cita o caso do pai, que sofre com depressão e tem encontrado na jardinagem um passatempo saudável.

“Meu pai tem 62 anos e há três anos está em tratamento para depressão. Ele trabalhou por 40 anos e se aposentou por causa da doença. Era bem ativo e sempre gostou de trabalhar com a terra. Fato este, que me fez estudar Engenharia Florestal. Ele tem acompanhado dia a dia do desenvolvimento das plantas. Envolvê-los nessa atividade foi uma forma que encontrei para que tanto ele quanto minha avó, que tem 76 anos, fazerem algo. Minha avó é daquelas senhoras bem ativa, mas desde que eles vieram para cá ela não sai de casa e isso a estava deixado triste.”

Estudos científicos apontam que o processo de cultivar plantas faz bem tanto para a saúde física como para a mental. Ser responsável por um ser vivo, acompanhar seu desenvolvimento proporciona uma sensação de bem-estar, elevando a autoestima e melhorando o humor de seus praticantes. Além disso, a jardinagem faz com que a pessoa canalize sua atenção para uma atividade prazerosa, ocupando a mente das preocupações.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página